Clippings

O Dia - (21/06/2018)

Vendas com o pé no acelerador

Promoções, aumento do crédito... Entenda por que o mercado automotivo aqueceu

No mercado de automóveis, o pior da crise já passou. É o que mostram os números da Federação Nacional de Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave). Entre janeiro e maio deste ano, houve aumento de 17,78% nas vendas de carros zero em relação ao mesmo período de 2017. Já a comercialização de seminovos subiu 2,89%. Os dados refletem a sensação dos comerciantes, que comemoram o retorno dos clientes às concessionárias e revendedoras. Um dos grandes responsáveis por esse aquecimento é a demanda maior por carros para o transporte de pessoas no segmento de aplicativos.

"Em 2017, lutamos muito para manter as portas abertas. Fechamos dezembro com prejuízos. Mas, este ano, começamos a perceber uma melhora", diz Daniel Faria, sócio da Prelude Veículos, em Madureira.

Outro fator importante para a retomada, apontam os profissionais do setor, é o aumento do crédito concedido pelas financiadoras aos clientes. "Houve inadimplência grande no mercado, e as instituições ficaram muito criteriosas para conceder financiamentos. Mas a confiança está voltando", diz Faria.

Além disso, as facilidades oferecidas pelas montadoras para atrair clientes têm contado a favor. Gerente da Barrafor, concessionária da Ford em Campinho, Ralph Lemos conta que todos os carros da marca estão com taxa zero de juros no financiamento. A estratégia foi implantada no fim de 2017. "Isso está ajudando a aumentar o volume de comercializações", comenta Lemos.

Nas revendedoras, a lógica é a mesma. Na Sky Veículos, que também fica em Campinho, é possível financiar um carro sem a necessidade de pagar um valor como entrada. A loja ainda instala o kit gás. "Muitos usam o carro para trabalhar. E ele já sai da loja pronto", diz o gerente Alex Rezende.


O pódio dos seminovos no país

Dados da Federação Nacional das Associações dos Revendedores de Veículos Automotores indicam que, no mês de maio, foram comercializados 1.224.806 veículos contra 1.191.863 em abril de 2018. Nesse cenário, o segmento dos hatchs compactos se destaca. Volkswagen Gol (79.014), Fiat Uno (50.172) e Palio (49.372) são, respectivamente, primeiro, segundo e terceiro modelos mais vendidos no país.

O resultado mostra que, apesar de não terem mais força entre os zero km, esses carros continuam sendo interessantes.


Aplicativos geram impacto

A consolidação do modelo de transporte em carros acionados por aplicativo também está contribuindo para aquecer o mercado de automóveis. Na avaliação do economista Gilberto Braga, do Ibmec, o fato de as empresas não aceitarem carros com mais de cinco anos de uso está impulsionando as vendas. "Muita gente está no momento de trocar de carro para não ser descredenciado", aponta Braga.

Alex Rezende, da Sky Veículos, confirma: "Posso dizer que 99% dos carros que vendemos são para motoristas de aplicativo."

De acordo com Braga, a classe média, que troca de carro periodicamente, está confiante. "Quem decidiu esperar está voltando a investir", revela.